terça-feira, 20 de novembro de 2018

Promessas de inicio de ano porque não as cumprimos.


Chega o começo e ano e com ele milhares de promessas que nos cercam, parar de fumar, emagrecer, parar de beber e muito mais. Na verdade, com a chegada de um ano novo, espelhamos aquilo que desejamos em nós como se fossemos a partir desta data novos homens e mulheres.
Temos desejos e com a pequena motivação de começar o ano do zero, também nos traz a vontade de reciclarmos nossas atitudes e defeitos. É salutar que tenhamos dentro de si o anseio da mudança. Mas a mudança não se pauta somente em um momento de euforia, onde colocamos todos os desejos e frustrações no cesto da promessa.
 Muitos que prometem algo não cumprem, pois não acreditar que podem cumprir, por não entender que para se atingir um objetivo é necessário traçar metas e métodos para chegar lá, estabelecer caminhos, colocar parâmetros plausíveis e justos para se atingir o alvo.
O grande defeito das pessoas é que depositam suas vidas nas esperanças. Muitos já ouviram o celebre ditado, “a esperança é a última que morre”, então depositamos nossos desejos na esperança, por isso que não dá certo.

A esperança pode morrer sempre, na verdade matamos esperanças todos os dias de nossas vidas, a esperança não vale nada é uma mera expectativa do desejo e não o cumprimento do desejo. Quando você fala que tem esperança em parar de fumar se entende que um dia você ira parar de fumar não é uma afirmativa apenas uma expectativa.
Então esperança só serve para iludir, `a aquele que quer alcançar objetivos nada vale. A dica é, você pode perder a esperança, mas não perca nunca a fé acredite que pode, e aí a coisa acontece. A fé é o único fundamento que vai te levar a um objetivo de modo sóbrio. É acreditar que vai acontecer com seus esforços.
Então as promessas feitas em começo de ano foram feitas com base em esperança ou na fé?
O ser humano que acredita no desempenho de seus desejos é sempre forte para alcançá-los, suporta todos os pesos, sobrepõe-se a todas as barreiras, e por mais que seja tortuoso o caminho os supera.
A pior frustração para um homem, é querer algo mais e não atingir seu desejo com eficácia, vem então o sentimento de fracasso. A esperança é a última que morre mais a primeira que é sepultada.
Consiga sempre. 


Administrador Eduardo Ayres Delamonica

terça-feira, 13 de novembro de 2018

ORÇAMENTO DOMESTICO, POR QUE AS CONTAS NÃO BATEM?



Muitos se questionam por que o salário recebido no começo de mês não dá para pagar as contas? As dívidas são, em muitos dos casos, maiores que o orçamento. Uma incompatibilidade ou um desequilíbrio entre orçamento e despesa.
Equacionar orçamento e despesa naturalmente é o maior desafio entre as pessoas. Por vezes não observamos que o pagamento recebido deve andar junto com as necessidades e não as necessidades estarem à frente do orçamento. É preciso entender que assim como uma empresa, seus proventos recebidos ao longo de um mês de trabalho precisam ser geridos de forma organizada, e, sobretudo controlada. O controle financeiro é a melhor forma de se adquirir sucesso nas finanças domésticas. Assim, segue abaixo o que não se deve fazer, e o que se deve fazer.

O que não se deve fazer:
1) Financiamentos – Tomar um cuidado principal neste item, pois o financiamento que compreende empréstimos de dinheiro compra de eletrodoméstico, automóveis, casa de forma parcelada, enfim, tudo que adquirido com promessa de pagamento a prazo, é o grande vilão das finanças das famílias brasileiras. Existem famílias que têm 80% de seus ganhos comprometidos com parcelas e financiamentos de alguma forma, 90% das famílias têm algum tipo de financiamento. O grande mal, é que muitos para se conformarem com as dificuldades posteriores a um financiamento, afirmam que “se não for dessa forma não se consegue nada”, o que é um engano, existem formas ordenadas de se adquirir o mesmo bem.
2) Gastar para receber - O segundo fator preponderante ao financiamento é a aquisição de bem para pagamento posterior, o famoso “fiado”. O comprometimento do pagamento antes de recebê-lo, é sem dúvida uma grande ilusão, pois em um primeiro momento lhe traz a satisfação da aquisição do bem, mas sempre vem acompanhado de uma incerteza de efetivo pagamento no recebimento do salário.

3) Cuidado com as oportunidades de endividamento – Cuidado nas ofertas! As empresas lançam perfeitas iscas para atrair o consumidor, e quando se pensa que um grande negocio foi efetivado, na verdade se descobre que uma nova divida foi contraída. Ninguém faz milagres, ou trabalha de graça, todos querem auferir um lucro em cima de você.

O que se deve fazer:
1). Equacionar as necessidades – Todos nós somos dotados de desejos e necessidades, mas temos que ter a noção de não colocar as necessidades acima do retrato financeiro. Uma necessidade suprida de forma inconsequente pode se transformar em um problema no futuro. Nunca uma necessidade deve ser suprida sem recurso para ser cumprida.
2). Anotar todas as dívidas do mês – Este é o controle financeiro, fazer anotações de quanto receber e o que se deve pagar, é importantíssimo. Saber onde esta sendo direcionado seu recurso é saber como anda sua saúde financeira.
3) Evitar Comprometer o salário com financiamento – O financiamento não deve superar a margem de 15% dos rendimentos de uma família. Financiamento controlado é satisfação de orçamento elaborado.
4) Receber para gastar – Começar a abolir as contas ou os mecanismos de gastos “fiados” cheques pré-datados, catálogos de formas diversas, contas em padarias, lanchonetes, lojas de roupas etc. Receba para comprar, tenha a satisfação e a segurança de comprar e pagar. Assim os descontos são maiores.

A satisfação tem que vir acompanhada com a segurança e não com a incerteza de um dia indefinido e impreciso. Lembre-se: suas contas, quem deve controlar é você e não os outros.

Administrador Eduardo Ayres Delamonica

Credibilidade no trabalho uma questão de conquista:




Em muito ouço a palavra credibilidade sendo propalada de forma vulgar, simples, como se credibilidade fosse algo que não merecesse a devida atenção.
Para que se tenha sucesso na carreira profissional no mundo corporativo é necessário observar os fatores que influenciam para a aquisição da credibilidade.
O primeiro fator é falar sempre a verdade: A credibilidade da palavra é um fator de muita importância para um bom relacionamento. Aquele que fala e desmente não sustenta suas convicções, ou que muda rotineiramente de posição dentro de uma empresa é visto como inseguro que vai onde o “vento assopra” se torna incrédulo de confiança. Em primeiro falar a verdade é um suporte positivo e uma boa ferramenta de construção da credibilidade bem como da personalidade.
O segundo requisito é a transparência nas ações da empresa ou do colaborador dentro da empresa. É inadmissível nos dias de hoje funcionários que têm a obrigação de vestir a camisa do local onde trabalham que devem brigar e defender seu emprego passem informações da mesma para outros principalmente para concorrentes. Esta atitude fere severamente a confiabilidade do colaborador pois mostra seu caráter vil e corrompido. Este pecado custa caro pois perdida a confiabilidade neste aspecto jamais a pessoa a recuperara. No meio corporativo esta atitude é imperdoável e irretratável.. 
O terceiro quesito é cumprir o que promete. Na verdade pessoas para exercerem uma atividade e empresas para obterem mais clientes prometem aquilo que dificilmente cumprirão por deficiência técnica e de conhecimento. Esta atitude mostra a incapacidade frente aos compromissos e fere também a confiabilidade assim é necessário que aquele que promete se aperfeiçoes tecnicamente para que tenha a capacitação ideal no cumprimento das obrigações ora comprometidas. 
Em empresas, comércios, meios de comunicação prestadores de serviços há um entendimento que credibilidade é uma conquista. É uma construção da imagem e passa a ser a somatória de fatores de composição. É a qualidade de algo ou alguém em que se pode confiar e confiança é uma conquista árdua seguida por um caminho de verdade naquilo que se desempenha.

A Credibilidade vem galgada nos pilares da honestidade, honra e responsabilidade é a aplicação de valores auferidos ao longo do exercício da função, é sobretudo a confiabilidade no caráter.
    

Administrador Eduardo Ayres Delamonica

Promessas de inicio de ano porque não as cumprimos.

Chega o começo e ano e com ele milhares de promessas que nos cercam, parar de fumar, emagrecer, parar de beber e muito mais. Na verdade, c...